Jack Welch, ex-presidente da GE, morre aos 84 anos

Sob seu comando, a General Electric se tornou a maior empresa de capital aberto dos Estados Unidos.

Jack Welch, ex-presidente da GE, morreu aos 84 anos. Imagem de arquivo. - Foto: Lucas Jackson/Reuters

O executivo Jack Welch, que comandou a General Electric nas décadas de 1980 e 1990, morreu aos 84 anos no último domingo (1º), segundo informou sua esposa, Suzy Welch, em um comunicado enviado à rede de TV norte-americana CNBC.

Sob o comando de Welch, a GE se tornou a maior empresa de capital aberto dos Estados Unidos, com o valor de mercado da companhia saltando de US$ 12 bilhões para US$ 410 bilhões. Welch ficou conhecido por cortar milhares de empregos, e comprou e vendeu uma série de negócios dentro da GE, expandindo o gigante industrial para os serviços financeiros e de consultoria. 

Em dezembro de 1980, foi anunciado que ele substituiria o CEO Reginald Jones e, em abril de 1981, ele assumiu como o 8º presidente e CEO da companhia, cargos que manteve até sua aposentadoria, em setembro de 2001, quando foi sucedido por Jeff Immelt. 

A GE teve grande crescimento e expansão sob a liderança de Welch. Simplificando operações, adquirindo novos negócios e com a garantia de que cada negócio sob o guarda-chuva da GE era um dos melhores em seu campo, a empresa conseguiu expandir-se drasticamente de 1981 a 2001.

Welch escreveu em seu livro “Paixão por Vencer“:

Antes que você se torne um líder, o sucesso é seu próprio crescimento. Quando você se torna um líder, sucesso é fazer os outros crescerem.

Segundo o site da GE, Welch nasceu em 1935, e se formou bacharel em direito. Graduou-se em engenharia química pela Universidade de Massachusetts em 1957 e seu obteve seu mestrado e doutorado em engenharia química pela Universidade de Illinois em 1960.

Em 1960, Welch ingressou na GE como engenheiro químico de sua divisão de plásticos em Pittsfield, Massachusetts. Ele tornou-se vice-presidente em 1979.

Em 1980, um ano antes de Welch se tornar CEO, a GE registrou receitas de aproximadamente US $ 26,8 bilhões; em 2000, no ano anterior à sua saída, eram quase US $ 130 bilhões. A empresa era uma das maiores e mais valiosas do mundo no momento de sua aposentadoria, acima da décima maior em valor de mercado em 1981.

Em 1999, a Fortune o nomeou “Gerente do Século“, e o Financial Times o escolheu como um dos três líderes empresariais mais admirados do mundo.

Roberto Carlos Teixeira
Autor: Roberto Carlos Teixeira

Escritor, autor, pesquisador, autodidata. Autor, criador e webmaster de diversos sites de pesquisa. Profissional expert da área tecnológica. Investigador de política e gestão pública. Conservador, monarquista e genealogista amador. Apaixonado por História Antiga e Origens dos Povos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.