Número de mortes na China pelo novo coronavírus ultrapassa 3 mil

O balanço de mortos na China, devido ao surto do novo coronavírus (Covid-19), ultrapassou a barreira das 3 mil pessoas, com 31 novas mortes registradas nas últimas 24 horas, anunciaram as autoridades chinesas.

Desde que foi detectado, no fim do ano passado, no centro da China, o país registrou 3.012 mortes pelo novo coronavírus.
Até a meia-noite de quinta-feira (16h de quarta-feira em Lisboa), foram também confirmadas 139 novas infecções, um pouco mais do que na véspera (119), para um total de 80.409 casos confirmados, segundo a Comissão Nacional de Saúde do país.

Todas as novas mortes foram registradas na província de Hubei, epicentro do surto, e onde foram notificados 134 dos 139 novos casos. Várias cidades da província foram colocadas sob quarentena, em janeiro passado, com entradas e saídas bloqueadas.

Até a data, Hubei registrou 2.902 mortes e 67.466 casos confirmados de infecção, a maioria em Wuhan, capital da província.

A Comissão Nacional de Saúde da China informou ainda que, no mesmo período de 24 horas, 2.189 pessoas receberam alta após superar a doença.

Segundo os dados oficiais, 52.045 pacientes receberam alta desde o início do surto e 669.025 pessoas que tiveram contato próximo com pacientes foram acompanhadas, entre as quais 32.870 permanecem sob observação.

Nas últimas 24 horas surgiram mais 143 novos casos classificados como suspeitos por terem estado em contato com os infectados, ficando o total em 522.

Há 20 casos confirmados, “importados” de fora, sobretudo procedentes da Itália e do Irã, que registraram na última semana um rápido aumento no número de casos.

Uma das prioridades das autoridades chinesas é “proteger-se da importação” de infecções de outros países.

O surto de Covid-19, que pode causar infecções respiratórias como pneumonia, provocou mais de 3.200 mortos e infectou mais de 93 mil pessoas em 78 países.

Além dos 3.012 mortos na China Continental, há registro de mortes no Irã, na Itália, Coreia do Sul, no Japão, na França, em Hong Kong, Taiwan, na Austrália, Tailândia, nos Estados Unidos e nas Filipinas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto de Covid-19 como emergência de saúde pública internacional e aumentou o risco para “muito elevado”.

Mortes nos EUA e na França ultrapassam as da China

Na França e nos Estados Unidos a quantidade de mortos por causa da Covid-19 ultrapassou, nesta terça-feira (31) o número da China, segundo a universidade americana Johns Hopkins.

A situação atual de óbitos é a seguinte:

  • França: 3.523
  • Estados Unidos: 3.440
  • China: 3.309

Também houve mortes em dois territórios chineses, Hong Kong e Taiwan, onde 4 e 5 pessoas faleceram, respectivamente, desde o início do surto segundo a Johns Hopkins.

Os países onde houve mais mortes foram a Itália (12.428) e a Espanha (8.269).

A Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, foi iniciada na cidade de Wuhan, que fica na província de Hubei, na China. O país foi o primeiro foco da epidemia, que depois se espalhou pelo mundo e se tornou uma pandemia.

A população de Wuhan, o primeiro epicentro da doença, ficou mais de dois meses em confinamento severo e, recentemente, recebeu autorização para começar a sair.

Com a reabertura gradual de Wuhan, seus habitantes tiveram a primeira oportunidade de enterrar seus mortos e de respirar, após a experiência que a cidade está vivendo.

Nova York

Em Nova York. profissionais de saúde colocam uma vítima da Covid-19 em um carro, em 31 de março de 2020 - Foto: Stefan Jeremiah/Reuters

A região dos EUA onde há mais mortes é a cidade de Nova York, a maior do país. Lá, 932 pessoas morreram por causa da Covid-19.

O número de casos nos EUA aumentou em mais de 20.000 confirmados na segunda-feira, sobrecarregando hospitais que estão ficando sem médicos, enfermeiros, equipamentos médicos e utensílios de proteção.

O país pretende construir centenas de hospitais temporários para aliviar a pressão sobre os centros médicos que lidam com o aumento de pacientes com coronavírus.

O Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA, que transformou um centro de convenções de Nova York em um hospital de mil leitos no espaço de uma semana, está procurando hotéis, dormitórios, centros de convenções e amplo espaço aberto para construir até 341 hospitais temporários, disse o chefe da corporação nesta terça-feira.

Número de casos nos dois países

Os EUA também têm um número mais elevado que o da China. Veja quais são os dados da Johns Hopkins:

  • Estados Unidos: 175 mil
  • China: 82 mil
Sigam-me
Últimos posts por Roberto Teixeira (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *